segunda-feira, fevereiro 16, 2009

uma viagem insolita no interior da França - especial Fête du Citron (final)

Saímos da festa por volta das 17:30. Depois de andar um pouco e esperar o ônibus chegamos ao estacionamento. Lah constatamos que o motorista tinha deixado a luz do carro acesa durante todo o dia.

Como estávamos em 5 pessoas, tinhamos cogitado em empurrar o carro. Por sorte funcionou, maaaasss como a vida não tem graça sem emoção, o motorista resolveu desligar o motor. O obvio aconteceu!! O carro não funcionou mais. A solução então foi empurrar, certo? Errado. O carro é com câmbio automático e não tem como fazer pegar "no tranco". Felizmente um senhor viu que estávamos com problema e parou pra fazer a famosa "chupeta na bateria". Depois de algumas faiscas e algumas tentativas, o motor funcionou.

Finalmente pegamos a estrada mas ao invés de virar a direita, viramos a esquerda e fomos na direção contraria. 10 minutos mais tarde, começamos a desconfiar que estávamos no caminho errado, pois estávamos sempre subindo. Além disso, a cada quilometro a estrada ficava mais estreita.

Como todo bom aventureiro, continuamos naquele caminho, além do mais, a estrada era tão estreita e cheia de curvas que não tinha como fazer a volta. Apos uma meia hora de viagem as curvas começaram dar inveja à Serra do Rio do Rastro (SC) e continuávamos subindo. Quando achamos que não tinha mais para onde subir, la estavam mais algumas curvas e mais subida.

Lah pelas tantas, avistamos uma placa que indicava que havíamos subido 840 metros acima do nível do mar (local de onde partimos). A temperatura no lado de fora do carro estava -3°C e tinha gelo na estrada, mas mesmo assim continuamos em frete, digo, subindo.

Apos uma hora e meia de viagem, chegamos num lugar muito estranho, cheio de ruínas e praticamente no topo daquela montanha. Logo a frente havia um bar com as luzes acesas. Paramos para perguntar o caminho pra Nice, mas o susto foi grande pq as pessoas do bar (3, pra ser mais exato) começaram a falar em italiano. Pronto, estávamos na Itália. Na verdade não, mas era perto. Os ocupantes do bar no informaram que ainda faltava de 25 a 30 quilômetros para chegar em Nice. Depois da parada pra pedir informação, começamos a descer o tal morro. Curvas, curvas e mais curvas. Contei mais de 10 curvas que faziam 180 graus.

Mais uns 20 minutos de estrada e finalmente chegamos em lugar chamado Sospel mas não havia nenhuma indicação de qual caminho era o correto. A cidade estava completamente deserta e depois de rodar por la alguns minutos avistamos uma placa apontando para Nice. Foi este o caminho que pegamos.

Outros 20 minutos se passaram até chegarmos num local onde passava apenas um carro, mas era mão dupla e encontramos a seguinte placa:




Tradução:

Acesso proibido
Perigo de morte
Mina fogo (explosões)
Queda de rochas

Bom... apesar da placa continuamos adiante (coragem).

Momentos de tensão e muitas outras curvas até que finalmente chegamos em Nice. Dali pudemos pegar o caminho para casa.

Soh pra ter uma idéia... o caminho que devíamos ter feito era esse. O caminho que nos fizemos foi esse.

Apesar da viagem ter sido inusitada (pra não dizer que estavamos todos com muito, muito medo), foi interessante. Se tudo isso tivesse acontecido durante o dia, com certeza nos teriamos aproveitado muito a paisagem :-)

Que fase!! (com muita emoção)

2 comentários:

Arthurius Maximus disse...

Pelo menos a aventura rendeu um excelente post e várias emoções. (rs)

Aline disse...

Hahaha! Pelo jeito essa sua fase é permanente! :P